Logotipo CNM Muncípios Contra a Dengue

Envie-nos seu material, boa prática, sugestões, ideias, opiniões e dicas

Casos de dengue no Brasil crescem 48%, porém, muitos podem ter sido confundidos com zika

12 de fevereiro de 2016
12022016_Dengue_PrefEliasFaustoO Brasil começou 2016 com um aumento do número de casos de dengue na comparação com 2015, ano que já tinha batido recordes da doença. Nas três primeiras semanas deste ano, foram registrados 73.872 casos no país, um crescimento de 48,2% em relação ao mesmo período de 2015. O número de casos graves e mortes, por outro lado, diminuiu.
 
Nas três primeiras semanas, foram confirmados nove casos de dengue grave, 137 de dengue com sinais de alarme, e quatro óbitos. No mesmo período de 2015, tinham sido confirmados 80 casos de dengue grave, 542 de dengue com sinais de alarme, e 50 mortes. Este ano, foram dois óbitos no Paraná, um em Rondônia e um em Mato Grosso do Sul.
 
A maior concentração de casos foi em Minas Gerais (19.469) seguido de São Paulo (18.178). Mas, se for levado em conta o tamanho da população, Mato Grosso do Sul tem a maior incidência (114,8 casos por 100 mil habitantes), seguido de Tocantins (103), Espírito Santo (93,5) e Minas Gerais (93,3).
 
Municípios
Ribeirão Preto (SP) tem o pior índice entre as cidades com mais de 500 mil habitantes, com 338,9 casos por 100 mil pessoas. No grupo de cidades com 100 mil habitantes ou mais, Ubá (MG) é o destaque negativo: 608 casos por 100 mil pessoas. Nos Municípios menores, com menos de 100 mil habitantes, Rancho Alegre (PR) tema maior incidência, com 3.609 casos por 100 mil pessoas.
 
As cidades com pelo menos 1 milhão de habitantes com maior incidência são Belo Horizonte (193,7 casos por grupo de 100 mil pessoas), Campinas, Curitiba, Brasília e Recife.
 
Confusão entre zika e dengue
O alto número de casos de dengue registrados em um curto período aponta a tendência de uma nova epidemia de dengue "de grandes proporções" no país neste ano, de acordo com especialistas da área. "Isso mostra uma epidemia que não está no início, mas que, em janeiro, já está de vento em popa", afirma o infectologista Carlos Magno Fortaleza, professor da Universidade Estadual Paulista (Unesp).
 
Outro cenário possível é que uma parte dos casos já notificados como dengue sejam de zika. "Além da dengue, estamos tendo epidemia de zika. Como as doenças causam manifestações semelhantes, pode ser que uma parte seja zika", afirma o infectologista Benedito Lopes da Fonseca. Atualmente, o vírus da zika já tem circulação confirmada em 21 Estados, além do Distrito Federal. Para o especialista, é preciso aumentar o treinamento dos profissionais para que a notificação seja mais precisa.
 
Da Agência CNM, com informação da Folha de S. Paulo e O Globo